13 fevereiro 2018

A jovem bonita que aqueceu o Rei

"Sendo, pois, o rei David já velho e entrado em dias, cobriam-no de vestes, porém não aquecia. Então, disseram-lhe os seus servos: Busquem para o rei, nosso senhor, uma moça virgem, que esteja perante o rei, e tenha cuidado dele, e durma no seu seio, para que o rei, nosso senhor, aqueça." (1 Reis 1:1-2)

Estes primeiros versículos do livro de Reis são peculiares, fizeram-me sorrir. Na verdade, nunca ouvi ninguém pregar sobre eles e nunca li uma meditação sobre esta história. O Rei David, sendo velho, tinha muito frio. Resolveram cobri-lo com muitas vestes mas nem assim David aquecia. Então, os seus servos foram procurar uma moça virgem e bonita para aquecer o friorento Rei. Encontraram a bela sunamita Abisague que aceitou aquecer David. Levantam-se algumas questões: porque é que a sua esposa não o aquecia? Porque é que foi escolhida uma jovem sunamita? Não lemos se o plano resultou inteiramente, mas a Bíblia refere que o rei não teve relações sexuais com ela (v.4).

Sabe-se que este procedimento de aquecer os pés aos friorentos seria normal nos tempos antigos. Hoje o calor humano continua a ser muito importante e necessário. É verdade que a busca precipitada por aquecimento físico tem desgraçado muitas vidas, mas não há dúvida que o ser humano tem carências térmicas e afectivas. Nesta era de aquecimento global e ruído comunicacional, sofre-se de hipotermia relacional. Sofre-se de frieza física e de frieza emocional. O gelo da alma é o pior dos frios. É verdade que o calor humano pode aquecer o corpo, mas a presença do amor intenso de Deus conforta e abrasa a alma.

07 fevereiro 2018

Pequena grande Carta

"Olhai por vós mesmos, para que não percamos o que temos ganho, antes recebamos o inteiro galardão. Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem a Deus. Quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto ao Pai como ao Filho." (2 João 8-9).

A segunda carta do apóstolo João é o livro mais pequeno da Bíblia, mas tem verdadeiros tesouros espirituais para a nossa vida. É uma carta pessoal, com aplicabilidade universal. A senhora eleita com os seus filhos (v.1) pode ser uma pessoa concreta, ou uma congregação. Alguns supõem ser uma irmã com posição relevante ou poderá simbolizar uma igreja local. Muitos pensam que esta carta é dirigida à Igreja em Éfeso.

A grande temática do amor é uma constante nos escritos joaninos. Esta segunda carta de João não foge à regra. O Apóstolo incentiva-nos a amar a verdade e a cumprir o mandamento do amor fraternal. A carta alerta para termos cuidado com os enganadores - aqueles que negam Cristo e a sua ressurreição corporal.

A doutrina da certeza da salvação está implícita no versículo 9. Quem não persevera até ao fim não será salvo (Mt 24:13) porque nunca esteve salvo. Só prevarica quem não persevera na doutrina de Cristo e só persevera na doutrina de Cristo quem tem em si Jesus Cristo. O verdadeiro crente tem o Pai, o Filho e o Espírito Santo. A presença divina no crente é o penhor da segurança eterna. A salvação é obra divina mas o galardão é para os que não se descuidam - e é tão fácil nos distrairmos. Os salvos precisam andar atentos e vigilantes (v.8).

João termina esta pequena grande Epístola dizendo que ainda tinha muito para escrever mas não quer fazê-lo por carta. O Apóstolo valorizava a palavra escrita, mas prefere tratar alguns assuntos pessoalmente, cara na cara. Num tempo em que se está a perder a comunicação real em detrimento da digital, a presença real e afectiva continua a ser melhor que os melhores livros, cartas, emails, blogues, redes sociais. Quem ama faz-se presente.

01 fevereiro 2018

Conhecimento de Deus

"Graça e paz vos sejam multiplicadas, pelo conhecimento de Deus e de Jesus, nosso Senhor. Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou por sua glória e virtude" (2 Pedro 1:2,3).

Os gnósticos, hereges que estavam a espalhar a confusão doutrinária nas igrejas do primeiro século, gostavam muito de conhecimento. O conhecimento que eles defendiam e ensinavam era esotérico, místico, dualista e apartado de Deus e de Jesus. Mas o conhecimento que o Apóstolo Pedro nos incentiva é precisamente o que procede de Deus e de Jesus Cristo, nosso Senhor. A graça e a paz abundante derivadesse excelso conhecimento, revelado pela Palavra escrita de Deus. Esse conhecimento brota, não na mera compreensão humana intelectual ou ascética, mas pelo poder divino, manifesto no salvador Jesus Cristo. Conhecendo Jesus, pela fé, sabemos e temos tudo. Nestes dias da massificação de conhecimento, conheçamos O Senhor dos vivos e dos mortos: O Senhor Jesus Cristo. A glória e a virtude desse conhecimento pertence totalmente a Deus.

31 janeiro 2018

Falava dele a todos

"E, sobrevindo na mesma hora, ela dava graças a Deus e falava dele a todos os que esperavam a redenção em Jerusalém." (Lucas 2:38).

Quando José e Maria foram apresentar o bebé Jesus ao Senhor, no templo, estava ali a profetiza Ana. Esta mulher viúva, contava quase oitenta e quatro anos, mas não se afastava do templo e do Senhor. Continuamente servia-O com jejuns e orações. Nos nossos dias, continua a haver lugar e ministério para os mais idosos na igreja. Quando ela viu Jesus, porque vivia em comunhão com Deus, percebeu que Ele era o grande Messias redentor. Desde aquela hora, Ana não cessou de dar graças a Deus e de falar dele a todos. Que grande exemplo para cada um de nós. Um extraordinário exemplo de uma vida consagrada ao Senhor e que não cessava de testemunhar do redentor Jesus. Quanto mais em comunhão estivermos com Deus, mais dele falaremos.

30 janeiro 2018

Batalhar pela fé

"Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da comum salvação, tive por necessidade escrever-vos e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos. Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo." (Judas 1:3).

Batalhar pela fé. Fé, que foi dada aos santos. Fé pessoal e colectiva. Fé, como dom de Deus dada a cada individualmente aos salvos. Fé, como o conjunto de crenças e verdades dadas por Deus aos profetas e apóstolos. Fé que devemos guardar, exercitar e anunciar.

Porque muitos não compreendem a graça de Deus, devemos combater as suas ideias. Lutar contra os sofismas de homens enganados que procuram enganar outros. Pessoas que negam Deus e a eficácia da Sua salvação graciosa. Somos exortados a lutar vigorosamente contra as ideias malignas, não com as nossas próprias forças, mas na força da fé que nos foi concedida. Cultivando a comunhão com Deus, exercitando a misericórdia e o amor para com todos (Jd 21-23).