03 fevereiro 2020

A alegria do Senhor é a nossa força

"Esse dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto, não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa força." (Neemias 8:10)

Como qualquer outra pessoa, o cristão tem dias alegres e outros tristes. Neemias era um líder que encorajava aqueles que estavam à sua volta a alegrarem-se no Senhor. Os israelitas estavam tristes por terem andado tanto tempo longe de Deus e da Sua vontade. Agora, que O Senhor os tinha trazido de volta do exílio babilónico e ajudado a reconstruir o muro em Jerusalém, era tempo de se alegrarem no Senhor.

A verdadeira alegria está e vem do Senhor. Quando reconhecemos os nossos pecados, Deus dá-nos a alegria do seu perdão. Existem tantas alegrias fúteis neste mundo que nos cansam e esgotam, mas a alegria de Deus renova-nos e dá-nos força para continuar. Não precisamos andar a sorrir todos os dias, mas podemos contar com a alegria de Deus todos os dias. O prisioneiro Paulo disse aos filipenses para se regozijarem sempre no Senhor (Fp 4:4). Sentes-te triste e cansado? A alegria do Senhor é a tua força.

17 janeiro 2020

"Senhor, ensina-me a orar!"

"E aconteceu que, estando ele a orar num certo lugar, quando acabou, lhe disse um dos seus discípulos: Senhor, ensina-nos a orar, como também João ensinou aos seus discípulos." (Lucas 11:1)

Existem algumas conclusões que podemos tirar do pedido do discípulo de Jesus acerca da oração:

A primeira advém do facto de os discípulos terem visto Jesus a orar. É um grande mistério para nós entender plenamente porque é que Jesus precisava orar, mas Ele orava. Jesus orava para que os seus discípulos orassem também. Jesus é o nosso grande exemplo de oração. Assim como Jesus orava, nós também precisamos orar.

A segunda conclusão está relacionada com a aprendizagem na oração. Jesus sabia ensinar sobre oração porque conhecia o valor da oração. Mais do que um ritual, a oração é uma prática com princípios espirituais. A oração é comunhão com Deus, pressupõe adoração, dependência, confissão e fé no Pai celestial. Aprende-se a orar, orando.

Em terceiro lugar, Jesus não ignorou nem censurou o pedido do discípulo. Jesus estava disposto a partilhar os "segredos" da oração. Oramos pelo exemplo de Jesus, com os princípios de Jesus e em nome de Jesus. A oração boa é a que glorifica Deus e nos quebranta. Além disso, podemos continuar a contar com as Suas orações, porque Ele intercede por nós (Hb 7:25).

"Senhor, ensina-me a orar!"

08 janeiro 2020

Tornai para mim

"Portanto, dize-lhes: Assim diz o Senhor dos Exércitos: Tornai para mim, diz o Senhor dos Exércitos, e eu tornarei para vós, diz o Senhor dos Exércitos." (Zacarias 1:3).

Alguns do povo de Israel estavam a retornar do cativeiro da Babilónia. Tinha-se passado uma geração e muitos judeus tinham morrido na Babilónia. Escrevendo à segunda geração, o profeta Zacarias diz que "O Senhor tem estado em extremo desgostoso com vossos pais" (v.2). Os antepassados israelitas tinham escolhido desobedecer e andar longe do Senhor, agora era tempo da nova geração retornar à terra santa, mas especialmente ao Deus Santo.

A grande lição da história é que precisamos aprender com a história. Não repetir os erros dos nossos pais. Deus espera que os seus filhos desejem relacionamento com Ele. Mesmo para aqueles que andam mais afastados é possível o retorno. Na Sua misericórdia e amor, se nos arrependermos, Deus recebe-nos como estamos. Quem se volta para Deus, Deus faz-se presente.

03 janeiro 2020

O outro caminho

"E, sendo por divina revelação avisados em sonhos para que não voltassem para junto de Herodes, partiram para a sua terra por outro caminho" (Mateus 2:12).

Os magos que vieram do Oriente perguntaram a Herodes onde estava o Rei dos Judeus, pois queriam adorá-lo. Herodes ficou muito preocupado ao ouvir que tinha nascido um novo Rei e convocou os religiosos judaicos para inquirir onde ia nascer esse Rei. Eles, conhecendo a profecia de Miqueias (Mq 5:2), responderam que seria em Belém. O Rei Herodes disse aos magos para irem lá e quando retornassem, contarem-lhe onde estava o Rei, pois também o queria adorar. Obviamente que a intenção de Herodes não era adorar Jesus, mas matá-lo.

Quando retornaram à sua terra, os magos foram avisados por Deus para escolherem outro caminho. O "outro caminho" é o caminho da revelação de Deus, da vida e da bênção. Seguir por este caminho até pode implicar desobediência civil mas é o caminho da obediência a Deus. É na medida que adoramos e servimos a Jesus e vivemos na Sua comunhão, que recebemos respostas e orientações específicas. O outro caminho é o caminho do Rei Jesus, porque Ele próprio é o caminho, a verdade e a vida (Jo 14:6).

05 dezembro 2019

Deus faz-nos bem

"Até quando te esquecerás de mim, SENHOR? Para sempre?"
(Salmo 13:1)

"Até quando?" Pergunta David quatro vezes neste Salmo. É um pungente grito de pedido de ajuda. Quando o tempo adensa o nosso desânimo, parecendo que Deus nos abandonou, sentimos uma extrema tristeza e orfandade. O cristão também se entristece, fica deprimido e sofre. Mas este Salmo, como muitos outros, tem uma grande reviravolta. David ora para que os seus chorosos olhos sejam limpos pela luz do Senhor. Os sons da alegria celestial ecoam no coração, como resultado da oração confiante na benignidade do Senhor. Deus socorre-nos, salva-nos e alegra-nos porque Ele é bom e faz-nos bem.

Quando confiamos em Deus e na sua salvação, a alma aquece e alegra-se. Um canto brota no tempo presente, porque se pensarmos bem, parecendo ausente, Deus sempre está presente e tem nos feito muito bem.