20 julho 2017

Verbos que vencem o mal

"Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem." (Rm 12:21).

A Bíblia não é um livro de psicologia barata. A Bíblia não é conjunto de frases motivacionais que afagam o ego, ou que procuram levantar a nossa auto-estima. A Bíblia é a Palavra de Deus. Dá-nos princípios e orientações para um bom relacionamento com Deus e com todos. Este capítulo 12, por exemplo, dá muitas instruções práticas sobre como devemos amar as pessoas e odiar o mal, que devemos ajudar e abençoar a todos, mesmo aqueles que nos fazem mal, que precisamos compartilhar das alegrias e tristezas dos outros, que importa confiar mais no juízo divino do que nos nossos julgamentos, que a única coisa que vence o mal é o bem.

Quando é que o bem vence em nós? Quando nos apegamos a Deus, porque não há maior bem que Deus. Quando estendemos a mão aos perdidos. Quando vivemos alguns verbos, porque os verbos são acções que vencem o mal: amar, cuidar, servir, orar, comunicar, amar, abençoar, pacificar, alimentar, orar, amar. Sim, amar no princípio, meio e fim. O bem é um verbo. O amor também.

19 julho 2017

Sobre a ansiedade

"Não estejais inquietos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com acção de graças." (Filipenses 4:6)

A ansiedade não é uma coisa nova. Esta carta foi escrita há cerca de 2000 anos e Paulo já fala desta problemática. "Inquieto", ou "ansioso", no original grego significa literalmente "estar dividido". A pessoa ansiosa está com a sua mente dividida com muitos pensamentos, está sempre a ruminar as mesmas inquietações e preocupações. A ansiedade é um problema mental e espiritual. Se não for devidamente tratada, a ansiedade pode degenerar em doença.

A melhor coisa que o cristão pode fazer para resolver a ansiedade é entregá-la a Deus, pela oração. Transferir para Deus as suas preocupações, dúvidas, medos e todas as coisas que o preocupam e que não consegue controlar. Confiar que Deus é capaz de lidar connosco, com as pessoas que nos afligem e com os nossos problemas. Orar, suplicar e agradecer a Deus por todas as circunstâncias. A promessa divina é que a paz de Deus sempre guardará a mente, o coração e as emoções daquele que ora e vive na dependência do seu Senhor (Fl 4:7).

18 julho 2017

Trabalhai enquanto há tempo

"Porquanto ouvimos que alguns entre vós andam desordenadamente, não trabalhando, antes, fazendo coisas vãs." (2 Tessalonicenses 3:11).

Alguns crentes na cidade de Tessalónica, a pretexto da iminente vinda de Jesus, estavam a deixar os seus trabalhos e a fazer coisas vãs. Paulo já os tinha exortado anteriormente que nunca deixassem de trabalhar (1 Ts 4.11,12). Também nesta área, o Apóstolo tinha sido um grande exemplo para eles: ao mesmo tempo que pregava e ensinava as igrejas, Paulo continuava a trabalhar, fazendo tendas.

Hoje, continua a existir muita gente que não quer trabalhar. Alguns porque não conseguem arranjar emprego, outros porque são preguiçosos. Infelizmente há jovens que não querem estudar, não tencionam trabalhar e muitos menos pensam em servir. Vivem agarrados aos telemóveis, às redes sociais, às séries e a outras futilidades e superficialidades que pululam nestes dias. Desperdiçar tempo em coisas vãs é desperdiçar a vida. A ociosidade leva ao pecado. As coisas vãs também. Quem não quer trabalhar, que também não coma. Que Deus nos ajude a trabalhar enquanto há tempo (João 9.4).

17 julho 2017

Olhar para a Pessoa certa

"Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus." (Hebreus 12:2).

Uma das fortes razões porque não devemos desviar o nosso olhar de Jesus é porque Ele é a origem e o destino da fé. Perceber que a fé nos é concedida por Deus e para Deus, dá-nos a causa da fé e da vida. Uma segunda razão, é porque quando perdemos demasiado tempo a olhar para nós próprios, a fé enfraquece. Uma terceira razão, é porque quando deixamos de olhar para Jesus e olhamos para o mundo, com as suas afrontas e sugestões perniciosas, a visão torna-se turbada e a vida confusa. Somente quando permanecemos com os olhos da fé bem fixos em Jesus Cristo é que vemos e andamos bem na vida. Jesus não desistiu de olhar e caminhar em direcção à cruz, por nossa causa e pela alegria e exaltação que lhe estavam prometidas. Jesus olhou e foi à cruz, para que nós olhássemos sempre para Ele.

14 julho 2017

Vida simples

"E cresceram os meninos. E Esaú foi varão perito na caça, varão do campo; mas Jacó era varão simples, habitando em tendas." (Génesis 25:27).

Quem conhece a história de Jacó sabe que ele não foi isento de erros. Este versículo, contudo, revela uma característica interessante dele: ao contrário do seu irmão Esaú que gostava de grandes aventuras, Jacó era um homem simples que gostava de estar em casa. Homem simples, no sentido de "contido", "sossegado", "pacato", "calmo". A paráfrase O Livro diz que Jacó "tinha um feitio sossegado e preferia ficar em casa." Obviamente que ser mais sossegado e caseiro não livra ninguém de cometer falhas, mas o facto de escolher viver de forma simples e pacata é capaz de ser melhor do que viver de forma complicada e alterada. É verdade que uma personalidade mais serena pode, por vezes, recear novos desafios, mas a simplicidade na vida parece-me mais benéfica que nefasta. Muitos dos problemas das pessoas derivam das grandes complicações que elas próprias se meteram: ambição desmedida, aventuras irreflectidas, necessidade de adrenalina, reacções intempestivas e tantas outras coisas. A melhor simplicidade na vida é desfrutar da vida simples que há em Cristo.