14 novembro 2017

O Amor personificado

"Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; mas o maior destes é o amor." (1 Coríntios 13:13).

Este capítulo 13, que surge no meio da temática dos dons espirituais, desenvolvida nos capítulos 12 e 14, é um hino ao amor. O amor é paciente e bondoso, não é invejoso, nem orgulhoso, não é arrogante, nem grosseiro. O amor não exige. Não é irritadiço e dificilmente suspeita do mal que os outros nos possam fazer. O amor nunca fica satisfeito com a injustiça, mas alegra-­se com a verdade. O amor nunca desiste, nunca perde a fé, tem sempre esperança e persevera em todas as circunstâncias. O amor nunca falha (1 Coríntios 13:4-8). Este amor parece ser utópico e irrealista para nós vivermos. Num certo sentido, é impossível viver este amor sozinho. Este amor é vinculativo. Implica O outro. É divino. Jesus é este Amor personificado. Vive-se e partilha-se numa base de dependência e comunhão com Deus, por Jesus Cristo. Mais do que emoção, é o amor em acção.

Todas as coisas um dia vão passar. A fé, a esperança e o amor de Deus fazem-nos permanecer. O Amor é maior do que todas as coisas. O Amor venceu e vai continuar a vencer. O Amor é eterno.